pagina inicial
Tartarugas Marinhas
Visite o Tamar
O que fazemos
Onde estamos
Mais informações

Tamar e Albatroz viabilizam estudo genético de tartarugas de couro em alto mar

10/01/2013 - A parceria contribui com o aprimoramento do conhecimento científico sobre as espécies de tartarugas marinhas. ↓

Tamar e Albatroz viabilizam estudo genético de tartarugas de couro em alto mar

Embarques de tartarugas de couro são difíceis

Desde 2002, os projetos Tamar e Albatroz mantêm uma cooperação no monitoramento da frota de espinhel, através de embarques em Santos, Itajaí e Rio Grande. Esse estudo de longo prazo tem gerado importantes resultados para a conservação de albatrozes e petréis e das tartarugas marinhas. Contribui com o aprimoramento do conhecimento científico sobre essas espécies, principalmente a tartaruga de couro, que por seu grande tamanho dificulta o embarque e a coleta de dados.

De grande peso e tamanho, a tartaruga de couro dificilmente é embarcada e, por isso, entre outros fatores, é uma das espécies que menos se conhece em termos de suas fases oceânicas.  

Entre final de outubro e início de novembro de 2012 o Projeto Albatroz, com apoio do Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA), monitorou uma viagem de pesca na embarcação Marbella I, da empresa Kowalsky de Itajaí, com a participação do pesquisador do Tamar de Santa Catarina, Caiame Januário Menezes Nascimento.

Além do trabalho com as aves marinhas, neste cruzeiro foram capturadas 16 tartarugas, dez tartarugas de couro e seis cabeçudas, todas liberadas vivas. 

Durante o embarque e com a colaboração da tripulação do Marbella I, dois indivíduos de tartaruga de couro foram colocados a bordo, marcados e medidos, e coletadas amostras de pele para a realização de estudos genéticos. 

Esforços conjuntos para conservar as espécies

Segundo a Lista Vermelha das espécies ameaçadas de extinção da IUCN, a tartaruga de couro é uma das espécies de tartarugas marinhas mais ameaçadas do planeta. O conhecimento sobre a origem das que estão “navegando” no Oceano Atlântico Sul é escasso. Os estudos de genética permitirão mapear as colônias reprodutivas a que esses indivíduos pertencem e aprimorar as estratégias regionais de conservação dessas populações que interagem com a frota pesqueira oceânica que atua nessa região.

Muitas lacunas no conhecimento científico a respeito das tartarugas marinhas decorrem das dificuldades em acessar esses animais nas fases de vida oceânica, distante da costa e dos olhos dos pesquisadores. Além de cruzeiros de pesquisa, que têm alto custo e são limitados em relação ao tempo e continuidade, uma das únicas oportunidades de coleta de dados nessas áreas acontece pela via do monitoramento da pesca. A cooperação entre programas de conservação, empresas, mestres e pescadores, bem como o trabalho de observadores de bordo e pesquisadores que permanecem de 20 a 30 dias embarcados em cada cruzeiro, é fundamental para que isso aconteça.

Tartaruga Verde ou Aruanã

Almofala - CE

Centro de Visitantes

Mais informações - Visualizar informações anteriores